Empresa é condenada por pagar salário extra de até R$ 4 mil “por fora” a funcionário por mais de um ano em MT

Empresa é condenada por pagar salário extra de até R$ 4 mil “por fora” a funcionário por mais de um ano em MT

>
05.06.2018 | Por: Jackeline

Empresa é condenada por pagar salário extra de até R$ 4 mil “por fora” a funcionário por mais de um ano em MT

Uma empresa de importação e comércio de maquinário em Cuiabá foi condenada pela Justiça do Trabalho a pagar a um ex-funcionário os direitos trabalhistas referentes ao valor extra que era pago a ele mensalmente, por mais de um ano, durante o tempo de permanência dele no cargo de gerente.

Nos autos, a empresa alegou que transferia para a conta bancária do ex-gerente valores que não apenas se referiam a salários, mas também ajudas de custo para fazer frente a despesas com viagens, e que nunca pagou salário extrafolha ao funcionário, de forma fixa ou comissionada.

A decisão é do juiz Pedro Ivo Nascimento, em atuação na 8ª Vara do Trabalho de Cuiabá. Na ação, o ex-funcionário alegou que foi contratado para atuar como gerente de peças na seção de vendas pelo salário de R$ 2,5 mil, acrescido mensalmente de 5% de comissão sobre as vendas realizadas, o que correspondia a valores entre R$ 3,2 mil e R$ 4 mil.

Ele pediu à Justiça para que a remuneração mensal dele fosse reconhecida, então, como sendo no montante de R$ 6 mil, valor este que deveria ser usado quando do desligamento dele da empresa sem justa causa para o cálculo das férias, 13º salários, aviso prévio, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e sua multa de 40%.

Na decisão, além de acatar o pedido de pagamento do valor que faltou no momento do acerto com o ex-funcionário, o juiz ainda determinou o envio das informações à Receita Federal, aos ministérios públicos Estadual e do Trabalho e à Procuradoria-Geral Federal para apuração de suposta práticade sonegação fiscal e de contribuição previdenciária.

 Fonte: Por G1 MT

Voltar

Posts Relacionados

Identidade digital chega à população no segundo semestre.

Um aplicativo de celular que reúne documentos como a identidade, o CPF e o título de eleitor num único QR Code. É assim o novo Documento Nacional de Identidade (DNI). O senador Dário Berger (MDB-SC), que integra o Comitê Gestor do DNI, disse em entrevista ao programa Salão Nobre que o documento é seguro, porque é baseado na biometria do cidadão, armazenada no banco de dados da Justiça Eleitoral.

Leia mais

GOVERNO ESCLARECE PONTOS DA REFORMA TRABALHISTA

Portaria do Ministério do Trabalho fixa regras para trabalhador autônomo, jornada intermitente, pagamento de gorjetas e comissão para empregados

Leia mais

Oito estados registram queda na arrecadação de CSLL e IRPJ

Na teoria o Brasil está voltando nos trilhos da economia, mas as notícias não são boas para alguns governos estaduais. A arrecadação do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) caiu em oito estados brasileiros.

Leia mais