Reunião sobre o futuro do convênio 100 termina sem acordo

Reunião sobre o futuro do convênio 100 termina sem acordo

>
16.12.2019 | Por: CRM

Reunião sobre o futuro do convênio 100 termina sem acordo

Sem encontrar um consenso, representantes das secretarias da Fazenda devem voltar a se reunir em fevereiro

 

Secretários da Fazenda dos 26 estados brasileiros e do Distrito Federal terminaram nesta sexta-feira uma reunião de dois dias que tinha como finalidade discutir a renovação ou não do Convênio 100 para os anos 2020 e 2021. Para que fosse aprovada a renovação, todos deveriam votar a favor da concessão, mas o debate nem chegou ao ponto de decisão.

“Ainda não se alcançou o consenso no Confaz (conselho nacional de política fazendária) sobre a prorrogação do convênio 100/97. Então, Mato Grosso encaminhou pelo adiamento da deliberação sobre a exclusão de produtos do convênio. Pela relevância para o setor agropecuário, entendemos que deve ser discutido e deliberado todos os aspectos do convênio no mesmo momento”, argumentou Rogério Gallo, secretário da Fazenda de Mato Grosso.

O benefício reduz ou isenta insumos agropecuários do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Se os secretários decidirem pela não renovação do benefício, a cobrança do imposto começará a valer a partir de 30 de abril de 2020.

Segundo a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (FAEP), a resolução do tema deve ocorrer em uma reunião extraordinária a ser realizada em fevereiro. “A proposta de prorrogar até 31 de dezembro de 2021 não foi acatada, pois querem retirar os defensivos ‘faixa vermelha’ do convênio. Mas a decisão ficou para fevereiro de 2020”, comunicou a entidade.

Defensores

Diversas instituições e representantes do agronegócio se posicionaram durante a semana em prol da continuação do benefício. Entidades que representam o agronegócio estão tentando sensibilizar governos estaduais para renovar o convênio.

Federação da Agricultura e Pecuária de São Paulo (Faesp) enviou um ofício ao governador João Dória e ao secretário da Fazenda do estado de São Paulo, Henrique Meirelles, pedindo a manutenção do benefício fiscal.

Segundo Cláudio Brisola, chefe do Departamento Econômico da Faesp, caso o convênio não seja aprovado novamente, os insumos, até então isentos da cobrança de impostos de 18%, passarão a sofrer o reajuste na conta final.

“Levando em conta que cada determinada cultura tenha no seu custo de produção esses insumos, que representam 40% no total de custo de produção, se houver esse aumento, isso vai elevar em até 7% no cálculo dos custos de produção em cada cadeia produtiva. É um aumento considerável, que pode atrapalhar o setor, principalmente a competitividade”, enfatiza.

Já a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) ressalta que fim da medida implicaria em altas de 15% nos custos de produção da pecuária e de 12% na agricultura. “Os produtores rurais certamente não conseguirão assimilar esta alta no próximo ciclo produtivo. E o fim do convênio seria péssimo em um momento que conseguimos fechar acordos comerciais e outros estão em negociação”, alertou o coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon.

 

Impacto no bolso 

Ainda de acordo com a CNA, a suspensão do convênio afetará diretamente diversos setores do agronegócio. No setor de pecuária de leite, o aumento nas contas finais pode ser de até 14,29%; o setor de produção de soja pode ter aumento de quase 12%. Já os impactos na primeira e segunda safra de milho podem chegar à 11,40% e 10,87%, respectivamente.

A produção de café também pode sofrer reajustes no preço, a entidade aponta que o aumento nos custos do setor pode chegar a 8,65%. Para cana-de-açúcar a alta pode ser de 6,76%; arroz com 5,56% e para a pecuária de corte, o aumento previsto é de até 4,5%, informou a CNA.

(Fonte: https://www.canalrural.com.br/noticias/reuniao-sobre-o-futuro-do-convenio-100-termina-sem-acordo/)

Voltar

Posts Relacionados

Produtor rural pode incluir todas as dívidas em recuperação judicial

Leia mais

STJ decide se dívidas antigas do JPupin podem ser incluídas em processo

Leia mais

Medida Provisória permite registro automático de 96% das empresas no Brasil

Leia mais