Oito estados registram queda na arrecadação de CSLL e IRPJ

Oito estados registram queda na arrecadação de CSLL e IRPJ

>
01.06.2018 | Por: Jackeline

Oito estados registram queda na arrecadação de CSLL e IRPJ

Na teoria o Brasil está voltando nos trilhos da economia, mas as notícias não são boas para alguns governos estaduais. A arrecadação do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) caiu em oito estados brasileiros. As informações são da Secretária do Tesouro Nacional e organizados pelo portal Compara Brasil.

O Amazonas é o pior estado no índice, com queda de 25,7% na arrecadação de IRPJ entre janeiro e março de 2018. O governo amazonense recebeu R$ 442 milhões por meio do imposto.

Logo atrás vem o Rio de Janeiro, que é considerado um dos maiores estados do país no quesito economia. Os cariocas tiveram prejuízo de 18,7%, arrecadando R$ 7,3 bilhões em três meses.

Entre os que tiveram alta na arrecadação, Tocantins se destaca crescendo 92% no período. Espirito Santo (35,5%), Bahia (24,5%), Santa Catarina (22,1%), Minas Gerais (16%) e São Paulo (11,7%) também apresentaram alta nas arrecadações por meio do Imposto de Renda de Pessoas Jurídicas.

O Rio de Janeiro ainda lidera o ranking de estados que menos arrecadaram com a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, o CSLL. O estado recebeu 20% a menos do que o primeiro trimestre de 2017. Em seguida aparece os estados do Amazonas (17,7%), Acre (10,7%) e Roraima (10,3%).

Nesse quesito, Tocantins também mantém a liderança disparada com 53,6% de aumento nas receitas. Os estados do Nordeste também se destacam, como a Bahia que arrecadou 31% a mais entre janeiro e março desse ano. São Paulo (9,4%), Minas Gerais (9%) e Santa Catarina também fazem parte dos estados que mais arrecadaram no primeiro trimestre desse ano.

Fonte: Portal Contábeis

 

Voltar

Posts Relacionados

Identidade digital chega à população no segundo semestre.

Um aplicativo de celular que reúne documentos como a identidade, o CPF e o título de eleitor num único QR Code. É assim o novo Documento Nacional de Identidade (DNI). O senador Dário Berger (MDB-SC), que integra o Comitê Gestor do DNI, disse em entrevista ao programa Salão Nobre que o documento é seguro, porque é baseado na biometria do cidadão, armazenada no banco de dados da Justiça Eleitoral.

Leia mais

GOVERNO ESCLARECE PONTOS DA REFORMA TRABALHISTA

Portaria do Ministério do Trabalho fixa regras para trabalhador autônomo, jornada intermitente, pagamento de gorjetas e comissão para empregados

Leia mais

Empresa é condenada por pagar salário extra de até R$ 4 mil "por fora" a funcionário por mais de um ano em MT

Juiz determinou que o caso seja repassado à Receita Federal e ministérios públicos para apuração de eventual sonegação fiscal por parte da empresa.

Leia mais